“Vão-se os anéis, ficam-se os dedos”: uma alusão à autotomia caudal nos lagartos


A autotomia, a auto-amputação de partes do corpo, é um mecanismo comportamental utilizado por vários grupos de animais para escapar de predadores. Entre os vertebrados, a cauda é o único apêndice corpóreo capaz de ser autotomizado. Apesar disto, esta estratégia comportamental exerce importante função defensiva em diversos animais, entre os quais estão as salamandras, as tuataras e principalmente os lagartos (Pough, 2008).

A capacidade de perder voluntariamente a cauda é amplamente encontrada nos lagartos. Seu principal benefício reside na possibilidade de distração do predador, uma vez que, logo após a autotomia, a cauda agita-se intensamente, podendo levar o predador a capturá-la enquanto o lagarto amputado foge em segurança. Outro benefício deste mecanismo é que a cauda pode ser regenerada após ser autotomizada (Figura 1).

Figura 1. Indivíduo adulto de Tupinambis merianae (Teiú ou Tejo) com cauda regenerada. Fotografia de Daniel Passos.

Trocar a cauda pela manutenção da vida é indubitavelmente vantajoso, no entanto a autotomia caudal também inclui custos associados. De maneira geral, a cauda dos lagartos funciona como um dispositivo de equilíbrio, contrabalanceando seu peso e facilitando seu deslocamento. Além disso, a cauda pode funcionar como um membro adicional na locomoção, especialmente nas espécies semi-aquáticas que usam a cauda como propulsores do corpo.

Figura 2. Macho adulto de Tropidurus hispidus (Calango) com cauda recém autotomizada. Fotografia de Daniel Passos.

Muitas espécies de lagartos também armazenam gordura em suas caudas e, portanto, a perda dessas reservas energéticas através da autotomia pode prejudicar tanto o próprio crescimento do animal como seu investimento reprodutivo. Por último, mas não menos importante, a cauda pode ser um elemento chave na conquista de status, uma vez que pode indicar um atributo de dominância em determinado contexto social, por exemplo, quando um macho de cauda maior detém o acesso a um maior número de fêmeas (Rocha, 1994).

Apesar de todos estes custos, analogamente ao ditado popular “Vão-se os anéis, ficam-se os dedos”, para os lagartos faz sentido se pensar em “Vai-se a cauda, fica-se a vida”.

Por: Daniel Passos, membro do NUROF-UFC

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

POUGH, H. F.; JANIS, C. M.; HEISER, J. B. A vida dos vertebrados. 4ª ed. São Paulo: Atheneu, 2008. 684p.

ROCHA, C. F. D. Introdução à ecologia de lagartos brasileiros. In: NASCIMENTO, L. B.; BERNARDES, A. T.; COTTA, G. A. Herpetologia no Brasil, 1. Belo Horizonte: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais; Fundação Biodiversitas; Fundação Ezequiel Dias. 1994. p. 39-57.

Advertisements

Uma resposta

  1. […] A cauda desempenha um importante papel na locomoção dos lagartos, equilibrando o corpo durante o deslocamento (Ballinger, 1973). Entretanto, como a autotomia caudal é um comportamento defensivo amplamente empregado por diversas espécies, a regeneração da cauda constitui um processo essencial para estes animais (saiba mais sobre autotomia lagartos em: “Vão-se os anéis, ficam-se os dedos”). […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: