Vermes de lagartos e seus efeitos negativos na reprodução

Estudos sobre os endoparasitas de lagartos têm se tornado cada vez mais comuns na literatura científica nacional. De fato, vários grupos de pesquisa têm investido seus esforços na parasitologia de répteis, produzindo informação sobre quem são seus parasitas e quais suas taxas de prevalência e intensidades de infecção (Anjos, 2011; Ávila et al., 2012). Contudo, poucas pesquisas se debruçaram sobre os efeitos deletérios que o parasitismo pode causar à reprodução dos hospedeiros.

Recentemente, um artigo publicado na revista científica Journal of Parasitology da sociedade americana de parasitologia, trouxe importantes contribuições neste sentido. Neste trabalho, desenvolvido junto a colaboradores do NUROF-UFC, os autores avaliam a relação entre a carga parasitária de helmintos e o investimento reprodutivo de fêmeas do lagarto Tropidurus hispidus (Figura 1).

Tropidurus_hispidus_femea_DanielPassosFigura 1. Fêmea adulta de Tropidurus hispidus. Fotografia de Daniel Passos.

Entre os principais resultados, foi descoberto que a alocação reprodutiva das fêmeas foi negativamente correlacionada com a intensidade de infecção (Galdino et al., 2014). Em outras palavras, existem indícios que o parasitismo por helmintos realmente tem consequências negativas para a reprodução dos lagartos.

Embora as causas diretas dos efeitos negativos do parasitismo ainda não sejam bem conhecidas, a explicação desta relação pode residir no fato dos helmintos consumirem nutrientes de seus hospedeiros, consequentemente diminuindo suas reservas energéticas. Assim, como as fêmeas de lagartos usam a energia acumulada na forma de gordura para produzir suas ninhadas, o parasitismo de forma geral pode reduzir seu investimento reprodutivo.

Para acessar os demais resultados, leia o artigo completo que pode ser obtido em: Journal of Parasitology, 100(6):864-867.

 

Por: Daniel Passos, membro do NUROF-UFC

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANJOS, L. A. 2011. Herpetoparasitology in Brazil: what we know about endoparasites, how much we still do not know? Neotropical Helminthology, 5: 107-111.

ÁVILA, R. W.; ANJOS, L. A.; RIBEIRO, S. C.; MORAIS, D. H.; SILVA, R. J. & ALMEIDA, W. O. 2012. Nematodes of lizards (Reptilia: Squamata) from Caatinga biome, northeastern Brazil. Comparative Parasitology, 79: 56-63.

GALDINO, C. A. B.; ÁVILA, R. W.; BEZERRA, C. H.; PASSOS, D. C.; MELO, G. C. & ZANCHI-SILVA, D. 2014. Helminths infection patterns in a lizard (Tropidurus hispidus) population from a semiarid Neotropical area: associations between female reproductive allocation and parasite loads. Journal of Parasitology, 100: 864-867.

%d bloggers like this: