Viviparidade em lagartos: tem novidade na área!

Embora a maioria dos lagartos se reproduza por oviparidade, a viviparidade não é um fenômeno tão raro entre estes animais. A reprodução vivípara evoluiu diversas vezes entre os répteis escamados (lagartos e serpentes), gerando uma diversidade de estágios de retenção e nutrição de embriões pelo corpo materno. Tal diversidade faz dos lagartos modelos de estudo ideais para o estudo da viviparidade, na tentativa de se esclarecer como este fenômeno evoluiu nos mamíferos e nos demais vertebrados (Blackburn, 2006).

A viviparidade em lagartos sempre esteve diretamente associada a um grupo de lagartos, os scincídeos (Família Scincidae), entre os quais se incluem espécies ocorrentes no Brasil, como os “calangos-lisos” do gênero Mabuya.

Até pouco tempo, os lagartos do gênero Mabuya eram tidos como os que apresentavam os mais altos graus de viviparidade, incluindo a presença de placentas complexas, elevadas taxas de transferência de nutrientes da mãe para os embriões e longo  período de gestação, entre 9 e 12 meses (Vitt & Blackburn, 1991).

Copeoglossum_nigropunctatum_DanielPassos

Figura 1. Indivíduo de Mabuya nigropunctata. Fotografia de Daniel Passos.

Entretanto, em 2011, foi descoberto um novo ícone entre os lagartos vivíparos. O pequeno lagarto africano Trachylepis ivensi, extremamente raro e pouco estudado, atualmente é considerado um caso extremo de especialização placentária, diferindo de todos os tipos de viviparidade até então conhecidos para os répteis (Blackburn & Flemming, 2011).

O mais recente mecanismo de viviparidade em lagartos destaca-se por apresentar alto grau de associação entre placenta e embrião, com contato direto entre os tecidos embrionários e a rede de vasos sanguíneos maternos, o que confere um suprimento nutricional do embrião totalmente dependente da mãe.

Esta recente descoberta foi publicada em setembro de 2011 na revista Journal of Morphology e pode ser acessada em detalhes no link a seguir (Viviparidade em Trachylepis ivensi).

Por: Daniel Passos, membro do NUROF-UFC

 

Anúncios

Clipagem: Correios de MG encontram cobras em encomenda enviada para SC


Duas cobras foram encontradas dentro de uma caixa em uma agência dos Correios de Varginha, na Região Sul de Minas Gerais, nesta terça-feira (25). Segundo informações da assessoria dos Correios, a encomenda seguia de Pouso Alegre para a cidade de Caçador, no estado de Santa Catarina.

Referência [g1.globo.com]

NOTA DO BLOG: Mais uma vez noticiamos o tráfico de animais através do serviço postal. Somente associando fiscalização efetiva e leis rigorosas é que conseguiremos diminuir este tipo de crime.

NUROF UFC participa da III Semana do Centro de Ciências UFC, nos Encontros Universitários

A III Semana do Centro de Ciências da Universidade Federal do Ceará acontecerá nos próximos dias 19 e 20 de outubro no auditório Ícaro de Sousa Moreira, Bloco 902, Campus do Pici. A Semana tem como tema “Ciência, Inovação e Tecnologia” e na programação teremos palestras, mini-cursos e exposições como a do NUROF UFC.

Exposição NUROF UFC na Semana do Centro de Ciências

Não deixe de visitar nossa exposição e tirar suas dúvidas e curiosidades a respeito das serpentes! As inscrições na III Semana do Centro de Ciências são gratuitas e podem ser feitas através de formulário on-line disponível no site da Semana. Mais informações: (85) 3366.9785 ou pelo site www.centrodeciencias.ufc.br. A Semana tem apoio da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis e GE Healthcare Life Sciences.

Notícia: Cientistas encontram fóssil de serpente de 15 milhões de anos na Alemanha

Cientistas encontraram perto da cidade alemã de Augsburgo, no sul do país, o fóssil de uma cobra píton de 15 milhões de anos, anunciou nesta segunda-feira a Universidade de Tübingen. As vértebras da serpente petrificada, de 3,5 m de comprimento, foram encontradas em uma jazida de fósseis na localidade de Griesbeckerzell.

Segundo os cientistas, a descoberta representa uma prova de que em um curto período de tempo as serpentes píton também viveram na região centro-europeia. “Acreditamos que as temperaturas tinham uma média em torno de 19 graus. Do contrário, estas serpentes não teriam se sentido bem aqui”, disse a paleontóloga Madelaine Böhme, da Universidade de Tübingen, em referência à temperatura média anual em Augsburgo, que atualmente gira em torno de 8 graus centígrados.

É a primeira vez que cientistas encontram uma píton em uma região situada tão ao norte, já que estes répteis, que procuram o calor, vivem principalmente na Ásia e na África tropical. De acordo com Madelaine, este exemplar de serpente viveu no Mioceno, era geológica em que as temperaturas na Alemanha eram próprias de regiões subtropicais.

A forte queda das temperaturas há 14 milhões de anos pode ter provocado o fim destas serpentes gigantes na Europa, que tinham até 10 m de comprimento. Madeleine, que dirige o departamento de paleoclimatologia terrestre da Universidade de Tübingen, diz que não foram encontrados fósseis de serpentes píton posteriores a esta era geológica na Europa.

Das escavações realizadas perto de Augsburgo participaram cientistas do Centro Senckenberg de Evolução Humana e Paleoecologia e da Universidade Masaryk, da República Tcheca. As vértebras da serpente encontrada foram desenterradas há alguns anos e integram a Coleção Estatal de Munique.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5417912-EI238,00.html

NnN Feliz Dia das Crianças!

E para homenagear esse dia o NUROF-UFC nas Nuvens resgatou aqui os répteis e anfíbios que fizeram e ainda fazem parte da infância de muita gente! Desejamos a todos um Feliz dia das Crianças!

NnN homenagem ao Dia das Crianças

%d bloggers like this: