Sobre a matança infundada de lagartos: atestado de ignorância e criminalidade ambiental!

Caros leitores, minha postagem deste mês, mais uma vez, tem como objetivo maior contribuir para a conservação dos lagartos (Figura 01).

Figura 01. Indivíduo adulto do calango-de-parede (Tropidurus hispidus) em ambiente urbano de Fortaleza – Ceará. Fotografia de Daniel Passos.

Não é novidade que, em muitos lugares, lagartos são mortos inadvertidamente. Sabemos que a caça de lagartos para subsistência e a remoção de lagartos exóticos ocorrem legalmente em diversos países, entretanto estes não são os casos em questão. Refiro-me aqui à matança incoerente, sem fundamento plausível.

Em alguns casos a matança ocorre simplesmente por lazer, por exemplo, quando lagartos são caçados e mortos, em geral por crianças e jovens. O uso de estilingues, elásticos ou até mesmo pedradas infelizmente ainda é uma atividade, dita cultural, frequentemente exercida especialmente em áreas rurais.

Mas pior do que isso são aqueles casos em que os lagartos são mortos por pura falta de conhecimento da população. Ora, já vimos em postagens anteriores que não existem lagartos peçonhentos no Brasil (saiba mais em: Lagartos peçonhentos) e que, no geral, os lagartos geram bem mais benefícios aos seres humanos do que prejuízos (relembre: A importância dos lagartos para a Natureza, inclusive para o homem). Consequentemente, acredito que não há motivos plausíveis para consequências tão extremas como maus-tratos e principalmente a morte desses seres vivos.

Estou certo de que, assim como eu, muitos de vocês leitores já presenciaram algo como: uma dona de casa atacando o calango do muro do jardim com sua vassoura em punho, ou o vendedor da esquina prestes a lançar seu chinelo na lagartixa da parede do mercadinho, ou um garoto armado com seu estilingue e um saco plástico repleto de cadáveres escamados recém-abatidos, ou até mesmo o atropelamento intencional daquela iguana que termorregulava na pista perto da universidade. Enfim, eu poderia citar inúmeros outros casos!

E estes casos não são limitados ao nosso cotidiano particular. Não é difícil encontrar na Internet comentários, imagens e vídeos de registros como: “o massacre do calango”, “como matar uma lagartixa”, “atirando no calango”, e até mesmo na mídia em geral como em telenovelas e seriados. Um exemplo bem popular disso é o episódio “O caçador de lagartixas” do clássico seriado mexicano “O chaves” (Figura 02). Infelizmente muitas destas ferramentas midiáticas, mesmo que indiretamente, tendem a induzir e favorecer a continuação dessas práticas infundadas e criminosas.

Figura 02.  Cena do episódio “O caçador de lagartixas” da série mexicana “O Chaves”. Vídeo disponível com livre acesso na Internet.

Na minha opinião, isto é muito lamentável. Atestado da falta de conhecimento biológico básico de grande parte da nossa sociedade, bem como sua evidente indiferença perante às questões ambientais. Vale lembrar que matar espécimes da fauna silvestre sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, constitui crime contra a fauna segundo a Lei de Crimes Ambientais (lei 9.605 – 1998). Mas, apesar da legislação regulamentadora, a grande maioria destes casos permanece impune.

Mas então, qual o porquê deste hábito insensato continuar ocorrendo? Sinceramente, não sei . . . E é justamente por isso que procuro informar e incitar a reflexão dos leitores do blog. Chega de matança de calangos! Eles “agradecem” (Figura 03)!

Figura 03.  Indivíduo adulto de Tropidurus hispidus se aquecendo ao sol (termorregulando). Fotografia de Daniel Passos.

Por: Daniel Passos, membro do NUROF-UFC

 

Anúncios

Venha conhecer mais sobre a biologia das serpentes no NUROF UFC!

Se você é professor, leve seus alunos para conhecer o NUROF-UFC ou forme seu grupo e agende uma visita conosco!

Ed. Ambiental
NUROF-UFC

Notícia: É preciso preparar o filhote para situações de estresse desde cedo

Fêmeas de lagarto em condições de estresse parecem preparar a prole para as condições que ele encontrará ao nascer.

Condições de estresse podem influenciar o modo de alocação de energia dos animais. Pesquisadores avaliaram o estado de saúde de fêmeas e filhotes de lagartos vivíparos da família Scincidae (Veja: Viviparidade em lagartos: tem novidade na área!) que passaram pelas condições de estresse devido à escassez de alimento e compararam com os animais que não estiveram sob estresse.

Skink, Lagarto vivíparo da família Scincidae. Crédito: Erik Wapstra

O estudo mostrou que as fêmeas estavam em um estado de saúde melhor após o nascimento da prole desenvolvida sob condições de estresse alimentar. Os filhotes destas fêmeas nasceram menores e com crescimento lento, porém com reservas maiores de de gordura, o que seria vantagem para a prole em um ambiente pós-natal estressante. Além disso, estudos anteriores mostram que filhotes menores podem ter bom desempenho em condições de alta densidade de predadores.

Veja Matéria Completa: Science Dayli – Lizard Moms May Prepare Their Babies for a Stressful World

Notícia: Brasil tem pelo menos 250 novas espécies ameaçadas de extinção

O Brasil ganhou pelo menos 250 novas espécies ameaçadas na última década. Os dados, ainda preliminares, são da lista da fauna em risco que o ICMBio (Instituto Chico Mendes) prepara para o fim de 2014. A nova lista é a primeira avaliação global do estado de saúde dos animais brasileiros em uma década.  A anterior, publicada em 2004 pelo Ibama, indicava que 627 das cerca de 1.300 espécies avaliadas de anfíbios, répteis, peixes, aves, mamíferos e invertebrados estava sob algum grau de ameaça.

FAUNA EM PERIGO! O que muda na próxima lista de espécies ameaçadas do Brasil. Imagem: Marisa Cauduro, Folhapress.

O status de ameaça de extinção é dado segundo categorias definidas pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza). São elas “vulnerável”, “em perigo”, “criticamente em perigo”, “extinto na natureza” e “extinta”, de acordo com diversas medições do tamanho das populações e do grau de fragmentação dos habitats.

Confira a notícia completa acessando: FOLHA UOL

Notícia: Cientistas descobrem organismos fotossintéticos que vivem no interior das células de vertebrados


SOLAR-Mander: A embriões da salamandra manchada têm algas simbióticas que vivem dentro deles. (Foto: Wiki Commons / domínio público)

Embriões da salamandra manchada têm algas simbióticas que vivem dentro deles. (Foto: Wiki Commons / domínio público)

Acreditava-se há muito tempo que só as plantas, algas, algumas bactérias e alguns poucos invertebrados eram capazes de tirar proveito da fotossíntese, que converte a luz solar diretamente em energia. Entretando, pela primeira vez, um vertebrado fotossintético foi encontrado, trata-se da já conhecida e comum salamandra manchada (Ambystoma maculatum).

Entenda melhor essa descoberta acessando a notícia completa em mnn.com.

Podocnemis expansa (Tartaruga-da-Amazônia)

Podocnemis expansa (Tartaruga-da-Amazônia). Foto: Hugo Fernandes-Ferreira

Podocnemis expansa (Tartaruga-da-Amazônia) – É o maior quelônio de água doce da América do Sul, herbívoro, diurno e encontrado principalmente nas bacias dos rios Orinoco, Essequibo e Amazonas. Historicamente, é item importante na dieta de indígenas, no entanto, a exploração insustentável dessa espécie principalmente por parte de europeus e descendentes advém desde meados de 1700, para o consumo de carne, óleo e ovos.

Por: Hugo Fernandes-Ferreira, pesquisador colaborador do NUROF-UFC.

%d bloggers like this: