Um pouco sobre as jararacas


Jararaca Foto Roberta Rocha

É comum tanto nas grandes cidades quanto no campo encontrarmos alguém que tenha alguma história pra contar sobre algum acontecimento envolvendo as “cobras jararacas”. Estas serpentes despertam grande medo no homem mas tentaremos mostrar aqui o quão fascinante são as “jararacas”. As serpentes popularmente conhecidas como jararacas são incluídas nos gêneros Bothropoides, com 10 espécies, e Bothrops que, por sua vez, possui 22 espécies (além de Rhinocerophis, Bothrocophias, Bothriopsis e Porthidium). Como podem notar estamos falando de um universo de mais de 30 espécies diferentes! Como representantes da família viperidae as jararacas possuem características marcantes como a presença da fosseta e de pupila vertical além de dentição solenóglifa e claro a produção de veneno.

Grande parte das espécies de “jararacas” concentram a atividade durante o final da tarde e ao longo da noite. Durante o dia elas são encontradas protegidas sob pedras e troncos nas áreas naturais. Estas serpentes se alimentam de outros vertebrados e para a grande maioria, das quais se conhece a dieta, os jovens se alimentam de presas ectotérmicas, geralmente alguns invertebrados, anfíbios e lagartos e os adultos consomem mamíferos. Este fato é tecnicamente denominado de mudança ontogenética da dieta.

As serpentes dos gêneros Bothropoides e Bothrops são típicas de ambientes de mata vivendo entre as plantas e sobre a serrapilheira. Portanto os encontros desses animais com o homem ocorre em função de atividades em áreas naturais ou do desmatamento e transformação de áreas de mata em, por exemplo, campos de pastagens, expansão dos limites urbanos ou qualquer outro tipo de alteração. Como a defesa desses animais é a picada com inoculação de veneno quando o homem descuida acaba, por vezes, sofrendo com os efeitos do veneno inoculado. Hemorragia, necrose e dor são os principais sintomas da intoxicação por veneno das jararacas e por vezes culmina na amputação do local da picada caso o socorro não venha a tempo. Por isso quando estamos em atividade em áreas naturais é importante ficar atento ao local onde pisamos além de utilizar equipamentos de proteção como botas e perneiras.

Dentre as espécies de jararacas destacamos Bothropoides alcatraz e B. insularis ambas espécies endêmicas, a primeira exclusiva da ilha de Alcatrazes e a segunda da ilha da Queimada Grande em São Paulo. Estas espécies são insulares ou seja ocorrem em ambientes de ilhas ilhas que, por sua vez, sofrem com impactos que empobrece o ambiente no qual elas vivem, portanto essas são consideradas como ameaçadas de extinção.

Um dos principais centros de estudos sobre as jararacas no Brasil é o Laboratório de ecologia e evolução de vertebrados da USP comandado pelo Prof. M. Martins.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: